Gestão de RH

Programa de benefícios: 4 tendências que a sua empresa precisa conhecer

21/02/2019

Uma relação empregatícia de qualidade é crucial para que todas as partes envolvidas — empregador e empregado — sejam capazes de alcançar os resultados esperados. Nesse sentido, o programa de benefícios funciona como uma poderosa ferramenta para alinhar expectativas, motivar os colaboradores e alavancar o desempenho operacional do negócio.

Se você ainda tem dúvidas a respeito da efetividade de criar e nutrir um plano consistente de benefícios, encontrou o conteúdo certo! Neste post, você entenderá com mais propriedade qual é a importância de oferecer um programa consistente e terá acesso a algumas tendências relevantes no mercado a respeito dos benefícios oferecidos aos colaboradores. Preparado? Vamos lá!

Qual a importância da gestão de benefícios?

Qualquer empresa, independentemente do porte ou do segmento em que atua, precisa contar com colaboradores engajados. Somente ao dispor de uma equipe motivada, ciente de suas responsabilidades funcionais e dedicada à consecução de objetivos individuais e coletivos, é possível atingir (e, em alguns casos, até mesmo superar) as metas estabelecidas.

Diante da ampla e intensa competitividade do mercado, os gestores devem redobrar a atenção quanto à qualidade dos processos internos. Com o objetivo de atrair e reter talentos, extraindo o máximo potencial dos funcionários, a gestão de benefícios funciona como uma ferramenta essencial à satisfação do time.

Diante desse cenário, não seria equivocado reafirmar a importância de construir um programa de benefícios aderente e adequado. Ao oferecer bonificações que, além de contentar, estimulem a performance dos colaboradores, a empresa passa a contar com uma equipe mais motivada e produtiva.

Isso acaba por gerar, em curto e médio prazo, uma performance mais expressiva. Isso porque os funcionários perceberão sua importância para a organização e, como consequência, vão se sentir parte dela, dando sempre o seu melhor.

Além da produtividade, os resultados diretos se estendem à melhoria na comunicação interna e até mesmo no clima organizacional. Sabemos, no entanto, que nem sempre os empreendedores e gestores têm tempo disponível para realizar uma gestão de benefícios, fazendo com que as estratégias de retenção não sejam pensadas e aplicadas corretamente.

Felizmente, existe uma solução capaz de facilitar a gestão de benefícios cada vez mais utilizada pelas empresas. Falaremos sobre ela adiante.

Quais são as principais tendências relacionadas ao programa de benefícios?

Agora que você já sabe da importância de investir em um programa de benefícios, chegou a hora de avançar praticamente rumo à efetiva construção de uma carteira sólida e atrativa, certo? Antes, porém, certifique-se de que está atento às tendências que têm movimentado o setor. Listamos algumas delas a seguir. Confira!

1. Avaliação de demanda

Para formatar um programa de benefícios que seja realmente capaz de engajar os colaboradores, os gestores não podem se limitar a uma avaliação fria e distante. O contato direto com o público interno, no esforço de entender as expectativas e anseios, é essencial à construção de um plano que, além de satisfazer, também motive e encante.

Para tanto, uma das formas mais eficazes de descobrir que tipo de benefícios os funcionários esperam é por meio de pesquisas internas. Elas permitem que os gestores colham informações úteis para a estruturação da estratégia — que, ao serem consideradas, fazem com que os colaboradores sintam que estão sendo ouvidos pela empresa.

Após ouvi-los, outra forma de fazer essa avaliação da demanda é estudar a carteira de benefícios da concorrência. Afinal, trata-se de uma excelente maneira de descobrir quais benefícios não podem faltar no seu negócio, evitando a perda de talentos para os rivais no mercado.

2. Personalização da carteira

É importante que o gestor tenha sempre em mente que, muito embora haja semelhanças entre os integrantes de uma equipe coesa, provavelmente também haverá dissonâncias relacionadas às necessidades e aos desejos dos colaboradores.

Por esse motivo, a personalização da carteira de benefícios é algo que deve ser constantemente observado e praticado. É bastante comum que o funcionário solicite pequenas alterações, substituindo, por exemplo, o vale-refeição pelo vale-alimentação.

Também não é raro encontrar colaboradores que não usam o vale-transporte porque utilizam carro próprio ou até mesmo pegam carona com algum colega de trabalho todos os dias. Além disso, há profissionais que não veem vantagem em aproveitar cestas básicas, por exemplo, uma vez que moram sozinhos ou não consomem todos os itens — seja pela grande quantidade ofertada ou pelos produtos em si, que são pré-estabelecidos.

Sendo assim, a personalização dos benefícios é uma prática estratégica cada vez mais relevante para as empresas que desejam investir melhor em seus funcionários, mas sem desperdiçar dinheiro.

3. Reestruturação e atualização periódica

Em um mundo dinâmico, não é impossível (e nem mesmo estranho) que haja uma mudança de preferências ou de necessidades. É bastante provável que benefícios estabelecidos há três anos, por exemplo, já não sejam tão atrativos para os times atualmente. Os motivos são vários: a empresa pode ter mudado de tamanho e até mesmo de visão, e os seus colaboradores provavelmente acompanharam essa nova fase.

Para garantir que o programa de benefícios seja o mais aderente possível, atendendo às demandas dos colaboradores com mais consistência, é indispensável que haja uma revisão periódica da carteira, validando e ajustando as vantagens oferecidas.

Para tanto, uma ação interessante é fazer uma pesquisa de opinião anual relacionada à gestão dos benefícios oferecidos. Com isso, o negócio consegue perceber o que está dando certo — e quais benefícios são mais interessantes para a maior parte do time — e o que poderia ser mudado.

4. Terceirização da gestão

Por reduzir burocracias, otimizar processos e maximizar resultados, a terceirização da gestão de benefícios tem ganhado cada vez mais relevância no mercado contemporâneo.

Ao optar por transferir a responsabilidade inerente à concepção e à manutenção do programa de benefícios, o gestor confere mais profissionalização e rapidez ao processo, assegurando a satisfação do colaborador e, assim, extraindo resultados operacionais mais positivos.

Terceirizando os serviços de gestão de benefícios, a organização consegue também cortar custos e economizar. Isso porque todas as etapas referentes a esses processos passam a ser feitas pela empresa terceirizada. Dessa forma, a companhia pode redirecionar esse capital para novos investimentos, para capacitar talentos e até mesmo para aumentar a sua lucratividade.

De um modo geral, são algumas vantagens da terceirização da gestão de benefícios:

  • possibilita que o negócio mantenha o foco em seu core business e nas estratégias corporativas;
  • promove a construção de parecerias produtivas;
  • otimiza o tempo dos gestores e dos times de trabalho;
  • expande o negócio de forma estruturada e otimiza investimentos.

Como foi possível perceber, as empresas que desejam adotar estratégias de crescimento, aumento da produtividade e retenção de talentos devem compreender a importância de oferecer um programa de benefícios consistente. Considere as informações do post, bem como as principais tendências apontadas, para montar uma carteira atrativa para os colaboradores e fazer uma excelente gestão.

Gostou do tema que trouxemos no artigo e quer saber como é possível potencializar o desempenho da sua equipe por meio dos benefícios empresariais? Então, não fique de fora: baixe gratuitamente o nosso Guia de Benefícios agora mesmo!

Você também pode gostar

Share This
Navegação