A adesão a um contrato de estágio desponta como uma realidade cada vez mais evidente nas empresas contemporâneas. Ao oferecer vantagens para ambas as partes envolvidas, beneficiando a um só tempo o empregador e o estudante, a modalidade não para de crescer — e deve continuar em franca expansão nos próximos anos.

Se você deseja entender um pouco mais sobre as normas que regem a contratação de um estagiário, principalmente no que diz respeito à burocracia documental, não deixe de ler este post até o final.

No conteúdo, você vai conhecer os detalhes do contrato e ter acesso a ferramentas muito úteis para otimizar o processo. Preparado? Vamos lá!

Como ocorre a contratação de um estagiário?

Os termos de contratação de um estagiário estão resguardados na Lei 11.788, que explicita as regulamentações obrigatórias para o recrutamento de estudantes. De acordo com o texto, “estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de educandos”.

Desta forma, a opção por um contrato de estágio pressupõe à empresa o cumprimento de uma série de condições específicas, visando assegurar o aprendizado do jovem profissional em um contexto real de mercado.

De modo geral, a contratação só pode ocorrer com a anuência da instituição de ensino, a qual o estudante está vinculado, que deve prover um termo de compromisso, assinado pela empresa, e inclusive atuar como supervisor das atividades do aluno.

Além disso, as diretrizes do contrato seguem padrões diferentes dos encontrados em relações de trabalho CLT. No caso da modalidade de estágio, a carga horário máxima, por semana, é de 30h — configurando uma jornada diária de, no máximo, 6h.

Por fim, vale mencionar que a contratação do estagiário demanda que haja um funcionário in loco para acompanhar as atividades do estudante, ajudando-o a desenvolver habilidades práticas em sua área profissional.

A regra diz que cada colaborador pode supervisionar até 10 estagiários, sendo que até 20% do quadro interno pode ser composto por estudantes quando a organização possuir mais de 25 funcionários.

Como a burocracia interfere no contrato de estágio?

O contrato de estágio, como já foi mencionado, é mutuamente vantajoso: ganha a empresa, que conta com a disposição de um jovem totalmente disposto a aprender, e ganha o aluno, que pode exercitar a teoria aprendida no mundo corporativo.

Como todo processo de recrutamento, porém, a modalidade de estágio também demanda algumas burocracias.

É preciso atender a pré-requisitos específicos — tais como a contratação de seguro para acidentes, delimitação de plano de atividades, valor da bolsa e tempo de vigência — e estar em constante contato com a instituição de ensino, provendo avaliações recorrentes sobre a adaptação e o desempenho do aluno.

Todo esse processo requer tempo e disponibilidade, a falta deles é geralmente a razão pelas quais as empresas desistem de optar pela contratação de um estagiário — ainda que os benefícios sejam inúmeros. Para solucionar esse impasse, algumas ferramentas disponíveis são ideais e trazem ótimos resultados.

Como é possível otimizar o processo de contratação?

Agora que você já está convicto dos benefícios de contratar um estagiário, mas pode ter alimentado uma justa preocupação quanto à burocracia envolvida, chegou a hora de esclarecer como é possível otimizar o processo.

Alguns recursos interessantes podem ajudar em toda a cadeia de contratação: da seleção dos melhores talentos à formalização da documentação necessária.

A partir de plataformas que conectam empresas a possíveis estagiários, por exemplo, é possível simplificar os trâmites que conduzem à efetivação de um contrato de estágio — no esforço de tornar os procedimentos mais simples, ágeis e efetivos.

Gostou do conteúdo e quer ser o primeiro a saber das novidades? Então siga-nos Facebook e no LinkedIn!